BEAGLE - GUIA DE RAÇAS


Beagle (Snoop, Snoopy, Beagle Ingles)

Guia de Raças
História
Características

Beagle

O Beagle é um cão de origem inglesa utilizado para caçar lebres. A rainha Isabel I teve uma matilha famosa, em que todos os cães mediam menos de 25 cm, alguns eram tão pequenos que podiam ser transportados em bolsos de jaquetas. Também se diz que, durante seus banquetes, a rainha soltava seus cachorros na mesa, entre os pratos.

Dono de uma personalidade dócil e brincalhona, pode ser um tanto barulhento quando não treinado de maneira adequada; no entanto, isso não faz com que seja um cão difícil de lidar no dia-a-dia, e faz amizade muito fácil com crianças. Embora não figure entre as raças de cães mais obedientes, seu comportamento é cativante e muito dedicado; mas necessita de adestramento para que siga comandos e se comporte.

Origem 

As origens do Beagle são confusas, mas, principalmente, acredita-se que foram os romanos que levaram os antepassados destes cães para a Inglaterra, a fim de usá-los nas caças de coelhos. Especula-se que, uma vez ali, cruzaram-se várias raças de cães de caça. No século XVI os Beagles começaram a se difundir de verdade por toda a Inglaterra e, ainda ao final do século XIX, existiam diversas variedades de cães e a raça ainda não estava fixada.

Embora tenha se tornado mais conhecido a partir do século XVIII – quando começou a ser usada na Inglaterra como caçadora de lebres - há registros que citam a existência dos cães da raça desde o século III. Durante os tempos medievais, a denominação “beagle” era usada para definir cães de pequeno porte; não existindo na época, ainda, uma raça claramente conectada ao nome.

De acordo com historiadores que estudam as origens do Beagle, sua sobrevivência ao longo de tanto tempo foi garantida, principalmente, em função das suas habilidades de farejador; além da existência de criadores dedicados em perpetuar e manter a raça – incluindo a Rainha Elizabeth I – que mantinha a raça conhecida como Pocket Beagle (na tradução, Beagle de Bolso). Durante o seu reinado, ela criava uma série de exemplares de Beagles em suas dependências, cegando a desenvolver, inclusive, uma variante da raça de tamanho extremamente pequeno – que media entre 20 e 23 centímetros de comprimento.

Segundo registros, a raça é proveniente de cães ainda menores criados nos tempos de Eduardo II e Henrique VII; conhecidos como Glove Beagle (na tradução, Beagle de Luva), já que o seu tamanho era suficientemente pequeno para caber dentro de uma luva. Foi a partir do século XVII que as raças Southern Hound e North Country Beagle (ou Nothern Hound) se popularizaram por meio da caça à coelhos e lebres – passando a se desenvolver em formas um pouco maiores por meio do esforço de agricultores; que promoviam a sobrevivência da raça com o objetivo de ter animais de caça.

Nos dias de hoje, a raça segue muito famosa, porém, em função de uma história não muito alegre. Por ser usado de maneira constante em testes científicos feitos com animais, o Beagle acabou no foco das atenções após a invasão do Instituto Royal, de São Roque, no interior paulista - que aconteceu em 2013.

Na ocasião, uma série de ativistas entrou no local para liberar centenas de exemplares da raça, que eram mantidos no instituto para servirem de cobaias para testes que visam ajudar a descobrir medicamentos e soluções para doenças humanas.

Comportamento 

O Beagle é corajoso, alegre, carinhoso e inteligente. É um cão de caça criado para perseguir presas no campo e era acostumado a viver em bandos, o que os torna predispostos para a companhia. O Beagle é tranquilo e se adapta a todos os tipos de vida, tanto no campo como na cidade. É um cão vital e costuma ser muito travesso. 

Deve ser adestrado para se tornar obediente e atender chamados e comandos dos donos, já que tende a ser teimoso e um tanto barulhento quando não treinado – podendo latir bastante. Não sendo muito indicado para donos que nunca tenham tido cães de estimação, o Beagle precisa de proprietários firmes e pacientes, já que o seu adestramento pode exigir certo tempo e muita dedicação.

Fazendo mais sucesso, nos dias de hoje, como um cão de companhia e bicho de estimação; a raça também é dona de um ótimo senso olfativo, já tendo sido usada, inclusive, pela polícia norte-americana para exercer a função de cão farejador em aeroportos, buscando contrabandistas de alimentos e drogas. 

Aspecto 

Com uma expressão doce, o Beagle é um cão de aspecto musculoso e compacto na sua constituição. Tem orelhas compridas que caem para os lados e pelos suaves, curtos, densos e resistentes ao ar livre. O Beagle geralmente é tricolor e tem as extremidades da cor branca. Sua pelagem é bastante curta e quase impermeável, sendo lisa e bastante espessa.

O peso dos cães da raça varia bastante, já que depende da altura e do porte do animal. De acordo com a Federação Internacional de Cinofilia, os cães da raça devem medir mais que 33 centímetros e menos que 40 centímetros e, em função disso, o peso de um Beagle pode variar de 8 até cerca de 14 quilos.

Cuidados Específicos 

Por ter um pelo curto e liso, o Beagle é muito fácil de limpar, sendo necessário prestar especial atenção às orelhas – que, por serem caídas e compridas, apresentam uma tendência maior a acumular sujeiras e causar doenças como a otite. O Beagle é um cão inesgotável e é evidente que precisa fazer exercícios diários; gastando muito de sua energia para que não se torne triste ou obeso – já que também é uma raça bastante comilona e possui uma certa tendência a engordar.

Tem um grande olfato e uma vez solto e sem coleira, pode desaparecer seguindo algum rastro, ignorando completamente as chamadas de seu dono – provando que o seu adestramento deve ser feito desde filhote, evitando esse tipo de situação. 

Saúde 

O Beagle se caracteriza por seu grande apetite, nunca se cansa de comer, se não tiver uma dieta controlada, pode ter problemas de peso. Apesar disto, é um cão muito saudável e raramente terá de ser levado ao veterinário.

Problemas nos olhos podem ser relativamente comuns nos cachorros da raça, e a Hiperplasia da Glândula de Harder (também conhecida como “terceira pálpebra”) é uma complicação que pode surgir ao longo de sua vida, consistindo na formação de uma espécie de carne esponjosa no canto dos olhos do animal.

Fonte: CachorroGato @ http://www.cachorrogato.com.br/racas-caes/beagle/


Matérias