OBESIDADE NOS CÃES

A Obesidade Nos Cães

Os numerosos séculos de domesticação permitiram ao cão desfrutar de bons pratos de comida, mas também compartilhar os nossos maus hábitos.

Cerca de 40% dos cães levados à clinica veterinária hoje sofrem de obesidade. Esta costuma afetar mais as fêmeas do que os machos e certas raças mais do que outras, como por exemplo, Labrador, Rottweiler, Beagle e Basset Hound.

Afinal, o que é um cão obeso?

É aquele que apresenta um acúmulo excessivo de gordura no corpo e não apenas um excesso de peso, pois este pode ser devido a uma retenção de água ou uma grande massa muscular.

A obesidade traduz-se por uma certa deformação física, devido aos depósitos de gordura localizados ou generalizados. Um cão em estado normal tem suas costelas visíveis quando movimenta-se e as mesmas são fáceis de palpar.


Marshmellow Sema Piracanjuba, exemplo de Beagle com o físico ideal

Causas da obesidade

De longe a primeira causa é a superalimentação. É fácil observar que os cães obesos comem mais do que necessitam . A isto damos o nome de " balanço positivo de energia ". Para uma alimentação equilibrada, este balanço deve ser nulo, o que quer dizer : o cão deve receber o quanto gasta. A energia fornecida deve compensar exatamente as necessidades fisiológicas ( crescimento, gestação, lactação, etc ) e atividades físicas ( caça, pastoreio, esportes, etc ). Para ser mais clara : se o cão não tem qualquer atividade física e é do tipo que dorme boa parte do tempo, deve receber uma quantidade muito pequena de energia, pois qualquer petisco a mais irá engordá-lo.

Outras causas de obesidade

Estima-se que 25 % dos cães sofram de disfunções hormonais e 15 % tenham a chamada "obesidade do stress " , que ocorre por falta de atividade, por solidão e até por carência de atenção, o que leva o cão a consumir alimentos em excesso como forma de aliviar a tensão ( é o cão insaciável ).

Complicações devidas a obesidade

As conseqüências imediatas, como diminuição da resistência, contornos pouco graciosos, não são nada em comparação com as múltiplas complicações que se podem produzir :

transtornos no aparelho locomotor
dificuldades cardio-pulmonares
patologias nas funções reprodutivas
predisposição a diabetes
predisposição a enfermidades infecciosas e transtornos cutâneos
altos riscos cirúrgicos
Como vencer a obesidade

1 ) O dono precisa convencer-se do estado de obesidade de seu cão ( a imagem de que o cão gordo é um cão bem tratado é coisa do passado )

2 ) Seguir rigorosamente as indicações do fabricante quanto a quantidade de ração a ser fornecida

3 ) Fracionar a ração ao longo do dia para que o cão tenha sempre a sensação de estar saciado, isto é, em vez de dar 300g de uma só vez, fornecer 3 refeições de 100g

4 ) Dispensar as guloseimas : o biscoito pela manhã, o pedacinho de queijo a tarde, o bifinho a noite, etc.

Estes petiscos são utilizados de forma incorreta. Na verdade, foram criados para serem dados ao cão durante o treinamento, como prêmios, como um incentivo ao aprendizado. Vale esclarecer que biscoito algum faz o milagre de limpar os dentes do cão ( isto é puro marketing para aumentar as vendas do produto ). O que limpa os dentes é a ação mecânica de roer ossos ou a escovação periódica.

5 ) Fazer com que o cão faça exercícios regularmente

Se apesar de todas estas mudanças ele continuar com excesso de gordura, convém estabelecer um programa preciso de emagrecimento junto ao veterinário que o trata. Este poderá utilizar alimentos dietéticos industrializados ou indicar uma dieta caseira.

Fonte:
Dra. Marília Russi de Carvalho 
CRMV-SP 3652 



Matérias